26 de dez de 2009

O BREJO NOSSO DE CADA DIA...

.
.

E de novo, voltamos ao velho problema das enchentes em São Paulo. O nosso bairro, como sempre, sofre nessa época de chuvas diárias. Jardim Pantanal, Jardim Helena, Jardim Noêmia, Vila Itaim, Jardim. Romano, Jardim. Marta, Vila Mara e por aí afora, às margens do Rio Tietê e seus afluentes...

Culpados? Há muitos. Eu, você, o pipoqueiro da esquina, o governo...Geralmente colocamos a culpa de tudo que acontece de ruim no governo. É fácil, é cômodo.

Normalmente nem lembramos daquela maldita garrafa de Coca boiando na boca-de-lobo, (Quem será que jogou?), Ah! E aquele sofá navegando mansamente ao sabor da corrente na Marginal do Tietê, que vemos na imagem da TV? Parece tão distante, né? Imagine aqueles pobres cidadãos, com suas casas quase submersas (só se vê o telhado) e ainda tentando salvar algo... Jardim Pantanal.

Bom, essa água toda tem que ir para algum lugar e com a cidade toda asfaltada, com todos os quintais cimentados até o teto e o solo sem poder de absorver parte dessa água, com a maior rapidez da enxurrada, com as garrafas tapando os esgotos... Aliás, não é só garrafa pet não, existe uma infinidade de tranqueiras da nossa sociedade de consumo (quer dizer, eu, você, o pipoqueiro, o governador e etc.) que são largadas pelas ruas e esse aguaceiro todo, no final, acaba esparramando por lugares nunca dantes navegados, quero dizer, imaginados...

Lugares como a minha casa, o seu carro novinho em folha na Marginal, boiando com o seu símbolo de status por água abaixo...É isso aí companheiro, hoje em dia nada mais precisa ir pro brejo: o brejo vem até nós. Nas escolas, nas lojas, nos posto de saúde e de gasolina. Um mar de inconseqüências e negligências que vai ser difícil de esvaziar...

Durante milênios o gigante chamado Tietê percorreu o seu curso tranquilamente, nas épocas de chuvas intensas ele transbordava do seu berço esplêndido inundando várzeas, fertilizando o solo e criando com seu ímpeto milhares de espécies de plantas, peixes e animais únicos na fauna mundial. Desenhando com sua sinuosidade graciosa um mapa de fartura e vida, que tornavam os Campos de Piratininga candidatos a paraíso.

Hoje essas várzeas são ocupadas por rodovias, prédios, asfalto, canalizações, piscinões, favelas e uma infinidade de tranqueiras (acho que já ouvi isso antes...) que disputam espaço com as águas. E não são elas que invadem nossas casas, nós é que invadimos a várzea, com nossa prepotência. Com nossas construções, com o nosso “progresso”...

Eu acho que já passou da hora de repensarmos o rio, que continua ocupando o mesmo espaço que ocupava há séculos e nós, é que invadimos o que é dele. Não tenho nenhuma tendência ao Niilismo, mas acho que devemos derrubar tudo e devolver ao rio o que é dele...
Senão, nego, o brejo continuará a nos visitar sem a menor cerimônia...



Texto original publicado no Jornal Página1- Dezembro de 2000. E nada Mudou, que tédio...

TÁ CEDO!!!